Dicas da última hora – Fuvest 2017

Horários Fuvest 2017

12h30: abertura dos portões
13h: fechamento dos portões
16h: liberação dos candidatos a partir deste horário
18h: fim da prova

O que o candidato DEVE levar

Documento de identidade: Segundo o edital da Fuvest, podem ser usados documentos de identidade expedidos pelas Secretarias de Segurança Pública, pelas Forças Armadas, pela Polícia Militar, bem como Carteira Nacional de Habilitação (com foto) e Carteira de Trabalho e Previdência Social; Documentos expedidos por Ordens ou Conselhos Profissionais que, por lei federal, valem como documento de identidade em todo o país (exemplo: carteiras dos CREAs); documento de identidade de estrangeiro (RNE) ou Passaporte válido, para o candidato de nacionalidade estrangeira, que comprove sua condição – temporária ou permanente – no país; para o candidato solicitando refúgio no Brasil, será aceito protocolo provisório emitido pela Polícia Federal do Brasil (Protocolo de Refúgio).
Material: Caneta esferográfica azul ou preta, para preencher o gabarito.
O que o candidato PODE levar
Material: Lápis ou lapiseira, borracha, apontador, régua e compasso, apenas para rascunhos.
Alimentos: Segundo a Fuvest, o candidato poderá levar água e alimentos leves; professores recomendam lanches de carboidratos integrais e frios leves, como peito de peru, frutas picadas em potes, nozes e castanhas. Eles alertam que o excesso de chocolate e refrigerante pode provocar dor de cabeça durante a prova.

O que o candidato NÃO PODE levar

Relógios: A Fuvest proíbe o uso de qualquer tipo de relógio ou outro dispositivo de controle de tempo. De acordo com o edital, o controle do tempo deverá ser feito com base nas informações fornecidas pelo fiscal da prova.
Equipamentos eletrônicos: Qualquer tipo de equipamento eletrônico está proibido, incluindo “calculadora, telefone celular, computador, tablet, reprodutor de áudio, máquina fotográfica, filmadora, equipamento eletrônico do tipo vestível (como smartwatch, óculos eletrônicos, ponto eletrônico) etc.”.
Materiais proibidos: caneta hidrográfica, caneta marca-texto, corretivos, material impresso ou papel em branco para anotações.
Objetos e acessórios: gorros, bonés e outros tipos de chapéus estão proibidos, assim como fones de ouvido e protetores auriculares e outros materiais que a Fuvest considere “estranhos à realização das provas”.

fonte Portal G1

vestibular-fuvest-2017

GONZAGUINHA – música e vida (participação prof. Jefferson Cassiano)

captura-de-tela-2016-10-24-as-11-51-01

Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior nasceu em 22 de setembro de 1945, no Rio de Janeiro, filho legítimo de Luiz Gonzaga, o rei do baião, e Odaléia Guedes dos Santos, cantora do Dancing Brasil.

“Venho de Odaléia uma profissional daquelas que furam cartão e de vez em quando sobem no palco; ela cruzou com meu pai e de repente eu vim” (Gonzaguinha)

A mãe morreu de tuberculose ainda muito moça, com apenas 22 anos de idade, deixando Gonzaguinha órfão aos dois anos, e o pai, não podendo cuidar do menino porque viajava por todo Brasil, entregou-o aos padrinhos

“Dina (Leopoldina de Castro Xavier) e Xavier (Henrique Xavier), baiano do violão das calçadas de Copacabana, do pires na zona do mangue, morro de São Carlos foram eles que me criaram e por isso eu toco violão. (Gonzaguinha)

As primeiras letras Gonzaguinha aprendeu numa escola local, mas as verdadeiras lições de vida recebeu pelas ladeiras do morro. Quando garoto, para conseguir algum dinheiro, carregava sacolas na feira.

Moleque Luizinho – seu apelido de infância, ia aprontando das suas. Pipas, peladas, bolinha de gude, pião e os acidentes da infância. Como as três vezes em que furou o olho esquerdo. Na primeira, com uma pedrada, depois, com um estilingue e, na quina da cama, com isso perdeu 80% da visão desse olho.

No carnaval fugia com Pafúncio, um vendedor de caranguejos que morava nas redondezas e era membro da ala de compositores da Unidos de São Carlos, a partir daí, o samba estaria definitivamente em sua vida. Nas ruas do Estácio, Gonzaguinha ia crescendo, entre a malandragem dos moleques de rua e o carinho da madrinha.

Do pai, recebia o nome de certidão, dinheiro para pagar os estudos e algumas visitas esporádicas. Imerso no dia-a-dia atribulado da população, Gonzaguinha ia aprendendo a dureza de uma vida marginal, a injustiça diária vivida por uma parcela da sociedade que não tinha acesso a nada.

O aprendizado musical se fez em casa mesmo, ouvindo o padrinho tocar violão e tentando fazer o mesmo:
“Sempre toquei um instrumento e poderia chegar a tocar bem, sendo um músico profissional, coisa que não sou. Sou um compositor e um intérprete que também toca violão, mais não sou músico nem tenho intenção de me arvorar a sê-lo” (Gonzaguinha) Ler mais

20 anos sem Renato Russo

renato-stone-2

O maior ídolo do rock brasileiro, Renato Russo, é um fenômeno cujo sucesso não para de aumentar. Desde 1978, ano em que iniciou sua carreira artística, o visionário artista e compositor brasileiro mostrou sua extraordinária capacidade de traduzir sentimentos em palavras, delineando a formação de caráter das últimas gerações.

O conjunto de sua obra se mantém há mais de três décadas no topo das paradas de sucesso e, em constante movimento, continua conquistando seguidores e fãs como se estivesse presente. Organizados por toda parte, os legionários e admiradores da brilhante carreira do eterno vocalista e frontman da banda Legião Urbana, continuam disseminando sua arte por onde passam, fazendo com que ela permaneça atemporal e seja transmitida de geração em geração. fonte http://www.renatorusso.com.br/2016/07/conheca-o-projeto-viva-renato-russo-20-anos/

 

 

Veja mais Vitrola de Paris no Varall clicando aqui

Agenda Agosto – Setembro 2016

Aulas Liceu A Sabin – Ribeirão Preto

1, 8, 15, 22 e 29/08

3, 10, 17, 24 e 31/09

 

 

Programa Futuro @liceuasabin

12 e 13/08 Futuro Adm (administrador) e visita supera parque fotos aqui

26 e 27/08 Futuro Adv (advogado) e visita ao núcleo de negócios jurídicos – Barão de Mauá fotos aqui

 

 

Atividade Medicina USP – MIT http://biobuilder.org/
Participação especial profa Aparecida M. Fontes FMRP -USP e equipe

13/08/2016

fotos aqui

folder_pdf_versaofinal

 

 

 

Palestra

Os saberes e sabores do educador: entre ensaios e improvisos

São Luís – MA 3/09

14350736_610432925805329_903792124_n